06 abril 2010

Desabafo

Eis aqui meu grande erro, continuar esperançosa de que as coisas mudem mesmo sabendo que não vão mudar e, como se fosse adiantar alguma coisa, chorando como criança. Temer o que está para acontecer e depois de acontecido, temer que tudo não se desfaça como mágica para ainda poder acreditar que no final tudo sempre dá certo, sem nem mesmo questionar se o final ainda está longe.
Grande erro, calar demais, sofrer demais, amar demais. Tentar acreditar que o ‘pra sempre’ não existe, que as coisas são pelo menos um pouco banais, que sempre acabam e aí, ao menor abalo, ao menor resquício de que o interminável pode terminar, desmoronar junto e acabar me perdendo no ‘pra sempre’, exatamente aquele que não existe mais.
Então começar a maldizer os sorrisos e as palavras que me fizeram bem, os momentos bons e os sonhos que criei, a ilusão que agora tanto me dói. Então, continuar te amando, te querendo pelo avesso pra fingir que estou bem, me matando aos poucos para não abandonar aos abutres as minhas idealizações, mortas.
Mas é mal do romântico sofrer tanto, e sempre. Não faz mal, ainda hei de encontrar o meu racionalismo perdido por aí, talvez junto ao meu futuro coração de pedra contendo meu nome e duas datas. Enquanto isso, sigo tentando despistar a esperança que me segue, que me faz tão quem sou, tão fiel escudeira do que todos denominam amor.

Camila Oaquim.

1 comentários:

Se... disse...

Ah... Tá especial esse texto, eu me identifiquei um poquinho com ele sabe... XD

Parabens Mila! Adorei, <3

Postar um comentário