14 junho 2010

Passado

A pior distância é a encontrada na proximidade, estou perto e tão distante de mim. Sinto-me no controle de algo incontrolável, de que adianta o corpo ser meu se não consigo controlar o acelerar do coração, o lacrimejar dos olhos, a gargalhada fora de hora? De que adianta a mente e os sentimentos serem meus se não consigo controlar a tristeza ou a felicidade e tampouco o amor? O amor. De que adianta dizer que este é meu se na verdade ele não passa de um jogo mal resolvido cujo vencedor nunca sou eu? Realmente, a pior distância é a da realidade e dos nossos ideais. Ideais, ideais ideias sonhos ilusões. Tudo se arrastando, dissolvendo-se, pouco a pouco ganhando vida própria, pouco a pouco me fazendo estar tão distante do que queria, do que era e do que vou ser.

Camila Oaquim.

5 comentários:

Chazzy Chazz disse...

"...de que adianta o corpo ser meu se não consigo controlar o acelerar do coração, o lacrimejar dos olhos, a gargalhada fora de hora?"
O texto fala por si só sem comentários

Daniel Braga disse...

Concordo.. odeio essa distância da proximidade... meus sonhos, tão perto, mas tão longe ao mesmo tempo. É horrivel. Porém é o preço por sonhar.

~Até a próxima, baby.

*DB*

Phelipe disse...

se conseguissemos controlar tudo, dificilmente evoluiriamos... sem contar que a vida perderia toda a graça XD

Caio Sereno disse...

Exatamente! A felicidade na vida humana tende a ser passageira... E a perfeição, será sempre utópica ou inexistente... Esperto será aquele que conseguir se manter diante todos os obstáculos da vida...

Nathalie disse...

odeio a distância :(

Postar um comentário